UA-134619458-1
 

Sobre Nós

Clarice Valente Aragão entrou no ramo das flores por amor. Nas vésperas de seu casamento Clarice e seu então noivo procuravam por flores para embelezar sua cerimônia na inóspita Brasília da década de 70.

“Naquela época”, conta Clarice, “flores eram difíceis de se achar, não existia a oferta que existe hoje”. Depois de organizar seu próprio casamento, o casal se encantou pelo ofício e decidiu trazer para os eventos da sociedade brasilense toda a beleza e sentimento que flores podem transmitir ao ambiente.

Na década de 80, a Rosa de Ouro já ornamentava magníficos casamentos na catedral Dom Bosco, eventos nos arredores da cidade e no estado de Goiás. Em uma Brasília de ares desérticos, longas distâncias e pouca oferta, a Rosa de Ouro desabrochou ao longo de décadas de trabalho duro, aperfeiçoamento e, principalmente, amor pelas plantas e pessoas.

 

Em 1988 a loja se instalou na 201 norte, seu atual endereço. Cercada por botecos e terrenos baldios, Clarice recebia clientes de diversos pontos do DF que contavam com a primazia de seu trabalho para embelezar eventos que marcariam para sempre suas vidas.

 

O amor pelo ofício de florista se apoderou cada vez mais de Clarice. Durante todos os anos em que tem mantido as portas de sua floricultura abertas, a pedagoga de formação se especializou na arte dos arranjos na Escola Ibero-Americana de Arte Floral, na Argentina. Logo já estava organizando eventos como os Encontros Nacional e Internacional de Floristas na LBV, nos anos de 1994 e 1998. Após atingir a excelência em suas técnicas de arranjo e acumular vasta experiência de mercado, Clarice decidiu dar forma a mais dos desejos de seu coração: ajudar pessoas.

 

Desde 2011 Valente lidera o projeto “Semeando flores, colhendo esperança”, uma iniciativa do Sindicato dos Floristas. Toda semana Clarice ensina adolescentes em situação de risco a descobrirem habilidades e dotes artísticos durante a feitura de arranjos encantadores e delicados.

 

Em uma trajetória de mais de 40 anos, a Rosa de Ouro sobreviveu a crises econômicas e políticas acreditando e investindo em gente, amor e beleza.